domingo, 1 de dezembro de 2013

10 animais que têm um começo de vida extremamente difícil

Nem todos os animais têm o luxo de começar sua vida com "férias prolongadas" como quando nascemos - alguns bebês têm que usar suas incríveis habilidades para enfrentar as piores situações e sobreviver.

10. Cavalo-marinho


Menos de cinco cavalos-marinhos em cada mil sobrevivem até a idade adulta. Cavalos-marinhos não têm estômagos, e por isso precisam comer constantemente. A partir do momento em que nascem, são nadadores terríveis obrigados a preencher a necessidade de alimento constante enquanto evitam seus predadores naturais, como caranguejos, arraias e até mesmo alguns peixes. Além disso, também vivem em uma batalha constante contra as correntes oceânicas, que podem arrastá-los para longe das áreas ricas em organismos microscópicos que eles comem, assim como tempestades ou poluição podem levá-los a nadar tanto que eles morrem de exaustão. Para combater tudo isso, cavalos-marinhos bebês mudam de cor e se misturam ao seu entorno, usando sua cauda especial para se agarra a folhagem no fundo do oceano.

9. Girafa


Quando girafas bebês vêm ao mundo, não há tempo para relaxar: elas começam a vida com uma queda de quase dois metros de seu orifício de saída para a difícil savana africana. Antes que possam perceber que seus ossos doem, sua mãe tenta forçá-los a levantar-se, chutando e empurrando-os, com medo de predadores. Depois que eles se levantam, instantaneamente começam um curso de sobrevivência, no qual sua mãe repetidamente os chuta e os obriga a ficar de pé novamente.

As fontes alimentares das girafas são plantas altas, e como os filhotes são muito pequenos para alcançá-las, ficam completamente dependentes do leite materno por até doze meses. Nas suas primeiras semanas de vida, são forçados a se esconder em áreas de grama alta enquanto suas mães vagueiam em busca de comida. Então, ambos se encontram com o resto do rebanho, onde as girafas bebês devem realizar todos os deveres de uma girafa adulta.

8. Crocodilo


Quando um crocodilo bebê nasce, cava para fora de sua "casca" pois está enterrado vivo (porque os ovos estão enterrados). Em seguida, emite um estranho som alto, para que sua mãe, que está em estreita proximidade, possa desenterrá-lo antes que sufoque. Depois, a mãe leva o bebê em sua boca para a água, onde ele instantaneamente precisa aprender a nadar, caçar, rastrear e evitar predadores.

Horas após o nascimento, os crocodilos bebês são proficientes o suficiente na água para apanhar sua primeira refeição, geralmente peixes pequenos. Eles emitem um odor especial que deixa que sua mãe saiba que eles pertencem a ela. Ao contrário da maioria dos répteis, a mãe crocodilo protege seus filhos o melhor que pode contra peixes, pássaros e até mesmo outros crocodilos, mas por pouco tempo. Depois de apenas algumas semanas de cuidar freneticamente de seus filhos, a mamãe à beira de um colapso nervoso os deixa à própria sorte. Mais de 50% dos crocodilos que sobrevivem ao nascimento morrem após o primeiro ano de vida, em grande parte devido à violência entre a própria espécie.

7. Urso polar


Uma vez grávidas, ursas polares trabalham diligentemente para ganhar pelo menos 200 kg antes do inverno: elas precisam de cada grama para se alimentar, bem como a de seus dois filhotes, durante o inverno implacável. Quando filhotes de urso polar nascem, pesam apenas 500 gramas. Nos primeiros meses, vivem de leite de sua mãe na segurança de sua toca, mas depois saem para um aparentemente interminável horror de neve e gelo. Se eles conseguem sobreviver às duras temperaturas e ventos do ártico, bem como a constante ameaça de raposas que procuram uma refeição indefesa, eles têm que se preocupar com a fome.

Sua mãe tem uma oferta limitada de reservas de gordura, e focas não são nem de longe tão abundantes quanto os ursos polares provavelmente esperariam. Nos últimos anos, com a diminuição das calotas polares, filhotes não têm que se preocupar só com a falta de calorias, mas também com a possibilidade de que sua mãe os coma como um último esforço para sobreviver. Com suas habilidades incríveis, a maioria sobrevive além do primeiro ano de vida e se torna uma máquina de matar impiedosa e absolutamente adorável.

6. Dragões de Komodo


Os dragões de Komodo vivem apenas em algumas ilhas da Indonésia, onde quase tudo é seu predador e eles são forçados a se esconder durante anos. As mães abandonam seus ovos, geralmente enterrando-os no lado de uma colina. O processo de incubação de dragões de Komodo leva horas e tende a esgotar os bebês até o ponto que eles deitam sob suas conchas quebradas por horas para recuperar sua força antes de sair do ninho.

Uma vez fora do ninho, eles se deparam com um número quase infinito de predadores de todos os tipos por todas as direções, incluindo aves, cobras, gatos e até outros lagartos. Eles são essencialmente indefesos ao nascer, então escalam a árvore mais próxima e permanecem nela por até três anos, comendo insetos e pássaros que estão ao alcance. Eles não estão totalmente crescidos quando descem de sua árvore. Sendo assim, conseguir comida muitas vezes significa comer o que sobrou de um animal morto por um colega maior (que muitas vezes também vai tentar comê-lo). Para evitar isso, eles rolam em suas próprias fezes e nos intestinos de animais mortos como uma forma criativa de fazer predadores pensarem que estão doentes e impróprios para o consumo.

5. Tigre


Filhotes de tigre nascem cegos e indefesos. Apesar deste fato, a mãe procura o lugar perfeito para criar seus pimpolhos, e por alguma razão quase sempre se instala em um local com toneladas de fendas rochosas irregulares ao redor. Para ficarem seguros, eles devem usar seu excelente senso de cheiro para continuar próximos a sua mãe. E seus problemas não param por aí: eles vivem em uma constante batalha hierárquica, o resultado da qual determina o nível de nutrientes que recebem.

Filhotes de tigre adoram brincar e, ao longo dos primeiros meses de sua vida, um filhote vai tentar afirmar o seu domínio sobre os outros. A mãe retorna com uma matança para alimentar seus filhos e favorece a alimentação do filhote dominante. Como se isso não bastasse, um tigre macho vagando por aí pode ocasionalmente matar uma ninhada de filhotes em uma tentativa de tornar a mamãe mais receptiva ao acasalamento. A única boa notícia é que os tigres só tem um predador a não ser machos na seca. Qual é o animal estúpido o suficiente para mexer com a ferocidade e condenação de uma tigresa defendendo sua prole? Humanos.

4. Pinguim-imperador


Pinguins-imperador chocam dos ovos de seus pais e são imediatamente submetidos aos exaustivos ventos da Antártida, temperaturas de menos 40 graus e fome generalizada. Uma vez chocados, eles têm duas possibilidades para sua primeira refeição. Se sua mãe não voltou de sua viagem de quilômetros às áreas de alimentação costeiras, o pai alimenta o filhote com uma substância composta de 59% proteínas e 28% lipídios, produzida por uma glândula em seu esôfago.

Se a mamãe tiver retornado, ela regurgita peixe parcialmente digerido que está armazenando em seu estômago por semanas. Pode não ser fascinante, mas os nutrientes fornecidos por tais refeições permitem que eles cresçam 15 penas por centímetro quadrado, que os manterão quentes uma vez fora da proteção. Se eles sobreviverem às condições cruéis depois de quarenta e cinco dias, os pinguins bebês ficam grandes demais para caber dentro de suas bolsas e formam um grupo denso, no qual ficam juntos para criar calor e proteção. Depois de dois meses, eles começam a pensar que há mais na vida do que ficar em torno uns dos outros, e fazem seu caminho para o oceano, onde caçam e pescam.

3. Hipopótamo



Hipopótamos bebê nascem debaixo d’água, incapazes de respirar. Sua mãe rapidamente usa o nariz para empurrar o bebê para a superfície, onde ele pode tomar fôlego. Hipopótamos instantaneamente têm que aprender a nadar. Na verdade, se um hipopótamo bebê quer comer, tem que prender a respiração e ir debaixo d’água para beber leite de sua mãe. Se a água se tornar muito profunda para o hipopótamo bebê, ele sobe em cima das costas de sua mãe e descansa.

Por viverem na África, hipopótamos bebês têm muitos predadores naturais, como leões, leopardos e crocodilos. Isso não é problema, já que a mãe geralmente os defende muito bem. O maior assassino de bebês hipopótamos é a desidratação. Eles não podem ficar fora da água por muito tempo, e não têm glândulas sudoríparas. Sua única defesa é secretar uma substância espessa e vermelha, chamada de “suor de sangue”, porque parece que o animal está suando sangue. Na realidade, a substância inibe o crescimento de bactérias causadoras de doenças e têm um efeito de absorção de luz que funciona como um filtro solar.

2. Camaleão


Após 5 a 7 meses de incubação, camaleões chocam-se. Seus pais abandonam os ovos antes que eclodam, assim o recém-nascido deve confiar em suas próprias habilidades especiais para encontrar comida, abrigo e segurança dos predadores. Mas eles se viram muito bem.

Camaleões bebês são criaturas passivas que ficam de braços cruzados à espera de insetos que vêm em sua direção. Em seguida, usam suas línguas extraordinárias para capturá-los. Ao longo da vida de um camaleão, sua língua é muitas vezes maior do que o resto do seu corpo inteiro, se estendendo com precisão em 30 milésimos de segundo.

Para localizar predadores e presas, ele usa seus olhos incomuns com pálpebras fundidas que se movem de forma totalmente independente. Um camaleão bebê pode se concentrar em dois objetos de uma vez e tem um alcance de visão de quase 360 graus. Por fim, tem uma capacidade incrível de atrair presas com uma falsa sensação de segurança, alterando cores ou camuflando-se. No entanto, o principal objetivo dessa habilidade não é se disfarçar, mas sim se comunicar com outros lagartos, seja para repelir rivais ou atrair fêmeas.

1. Tartaruga marinha


Uma vez que as tartarugas marinhas atingem uma certa idade, a vida é muito legal. Elas surfam as correntes oceânicas, brincando em torno dos recifes de coral à procura de águas-vivas, admirando as cores. Se estão se sentindo antissociais, podem se esconder dentro de seus cascos fortes e camufladas e fingir serem rochas. Infelizmente, apenas uma em mil tartarugas consegue tal vida, por causa da sequência angustiante de eventos com que são confrontadas desde o nascimento.

As tartarugas marinhas nascem sem as mães. Dois meses antes de eclodirem, sua mãe encontra uma praia, cava um buraco circular e deposita cerca de 200 ovos para incubação. Em uma tentativa de evitar predadores, ela tapa o buraco, suaviza a areia para esconder sua localização, e volta indiferente para o oceano. Uma vez que eclodem, as tartarugas marinhas bebês cavam para a superfície até que veem luz suficiente para determinar se é noite ou dia. Então, geralmente quando está escuro, irrompem para fora do buraco e fazem uma louca corrida para o oceano, através do pior caminho com obstáculos já construído.

Elas correm por suas vidas esquivando-se de algas e caranguejos enquanto evitam serem comidas e atacadas por pássaros, guaxinins e gatos que procuram uma refeição fácil. Se as tartarugas têm a sorte grande de chegar ao mar, nadam tão rápido quanto possível, lutando contra ondas e a maré para chegar ao oceano, onde começam o que os especialistas consideram seus “anos perdidos”. Este é o período de dez anos no qual a juventude torna as tartarugas incapazes de fazer tarefas normais. Elas são simplesmente arrastadas inexoravelmente pela água, constantemente evitando emaranhados mortais de algas e predadores, como se fosse um sushi bar sem vontade própria. Pobres tartaruguinhas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não deixe de se expressar!
Sua opinião é muito importante para nós.