sábado, 14 de maio de 2016

Como são feitos os dicionários?

 O primeiro passo é preparar um grande inventário de palavras, usando como material obras literárias, jornais, revistas, bulas de remédio, manuais técnicos e praticamente tudo relacionado à língua corrente. É claro que o levantamento não começa do zero, pois dicionários antigos também são utilizados para abastecer o gigantesco arquivo. As milhões de palavras que aparecem nesse material são então cadastradas com a ajuda de um leitor óptico, um tipo de scanner, que passa esses dados para a memória de um computador. Novamente com o auxílio da informática, o passo seguinte é cruzar as vezes que cada vocábulo surge, descobrindo quais são os mais frequentes na língua e que efetivamente serão publicados.


"Uma língua tem milhões de palavras, das quais apenas uma parte fará parte do dicionário", diz o lexicógrafo (autor de dicionários) Mauro de Salles Villar, diretor do Instituto Antônio Houaiss, entidade responsável por um dos principais dicionários da língua portuguesa, o Houaiss, que possui quase 230 mil verbetes. Após serem definidas as palavras que entrarão na obra, é hora de preparar o texto dos seus significados, além de pesquisar outras informações que podem complementar os verbetes, como a origem do vocábulo e a data em que ele passou a ser usado na língua. Todo esse trabalho pode levar anos ou até décadas e, invariavelmente, envolve uma grande equipe de pesquisadores. O dicionário Houaiss levou 15 anos para ser feito, contando com mais de 200 colaboradores e lexicógrafos do Brasil e de outros países de língua portuguesa.

Além do significado do vocábulo, um verbete traz outras informações curiosas

1. A abreviação s.m. quer dizer "substantivo masculino". Ou seja, a classificação da palavra na língua portuguesa

2. Essas siglas informam quando a palavra entrou no idioma, no ano 870; c.f. quer dizer "confronte", indicando a necessidade de outra pesquisa para maior precisão. Já JM3 mostra de onde saiu a data, um dicionário etimológico escrito por José Pedro Machado

3. Cada número em negrito, como esse 1, indica um sentido diferente que a palavra analisada possui

4. MASTZOO é a abreviação de "mastozoologia", ou estudo dos mamíferos, classe da biologia da qual fazem parte os cavalos

5. A abreviação fam. indica "família", que é uma das categorias em que os animais são divididos nas classificações da biologia

6. As iniciais p.metf. pej. indicam "por metáfora pejorativa". Nesse trecho do verbete são apresentados usos da palavra cavalo como sinônimo de insultos

7. A letra P vem de Portugal. Nessa parte do verbete será apresentado um outro significado de cavalo específico para aquele país

8. AGR é a abreviação de "agricultura", pois, além de designar um animal, a palavra cavalo também indica um tipo de enxerto

9. ETIM lat. se refere a "campo de etimologia latina". Ou seja, aqui se mostra a origem da palavra cavalo, que vem do latim caballus

10. Já o trecho ‘cavalo castrado, esp. cavalo de trabalho’ aponta o significado do termo na origem latina. A abreviação esp. é usada para "especialmente"

11. A abreviação f.hist. resume "forma histórica". Aqui são mostradas as diferentes maneiras de escrever a palavra cavalo ao longo dos séculos, desde o ano 870

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br

2 comentários:

  1. Bicho noturno não deixe de postar coisas , eu amo seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado jovem, mas realmente tá muito difícil de sustentar esse blog... a falta de comentários é broxante até demais. Mas sim, eu pretendo ainda voltar um dia e ajeitar algumas coisas que estão feias e quebradas no blog.

      Excluir

Não deixe de se expressar!
Sua opinião é muito importante para nós.